DPS FOTOVOLTAICO – CUIDADOS NA ESPECIFICAÇÃO EM RAZÃO DO RISCO DE INCÊNDIO

DPS FOTOVOLTAICO

A necessidade da utilização dos DPS é dada principalmente pelas normas 5410 e 5419, sendo que a norma de desempenho e ensaio vigente para DPS no Brasil é a ABNT NBR IEC 61643-1:2007. No entanto, não temos uma norma especifica de DPS FOTOVOLTAICO, que possui necessidades diferentes quanto à segurança.

Na ausência de uma norma especifica para DPS FOTOVOLTAICO vamos buscar uma norma internacional.

E qual norma escolher para o DPS FOTOVOLTAICO?

A norma escolhida foi a EN 50539-11 Low-voltage surge protective devices – Surge protective devices for specific application including d.c. – Part 11: Requirements and tests for SPDs in photovoltaic applications.

Essa norma chama a atenção de que o DPS FOTOVOLTAICO pode ser danificado por:

  • Por fuga térmica devido a uma quantidade excessiva de atuações em virtude de sobretensões, que mesmo não excedendo suas características conduzam à destruição lenta de seus componentes internos;
  • Ao dar passagem para terra (curto-circuitar) devido a uma sobretensão que vai além de suas características, levando a uma súbita degradação de sua impedância;

Em instalações em corrente alternada, com o esquema de aterramento TN-S, a corrente de curto-circuito fase-terra é alta fazendo com que a proteção de retaguardo do DPS atue, interrompendo o curto-circuito.

No entanto, a corrente de curto-circuito de uma instalação fotovoltaica sem armazenamento de energia (on-grid), não é muito maior que a corrente nominal em condições normais, por isso, a proteção de retaguarda no DPS FOTOVOLTAICO pode não atuar.

Dessa forma, caso não sejam tomados maiores cuidados, a não atuação dessa proteção de retaguarda fará com que o DPS FOTOVOLTAICO vire um foco de incêndio.

Para solucionar esse problema, a EN 50539-11 determina que o DPS FOTOLTAICO deverá estar equipado com um dispositivo de proteção especificamente adequado para operar qualquer que seja a corrente produzida pelos módulos fotovoltaicos, podendo ser:

  • Desconexões embutidas no próprio DPS;
  • Seccionadores externos ao DPS, coordenados com o comportamento de fim de vida útil do DPS, ou;
  • Combinação dos anteriores.

Alguns fabricantes já possuem solução para a desconectar automaticamente o DPS. A seguir, temos um vídeo de uma apresentação da DEHN, mostrando o DPS sem essa desconexão embutida e com essa proteção.

 

É importante salientar, que caso o DPS FOTOVOLTAICO especificado não tenha a desconexão embutida, passa a ser RESPONSABILIDADE DO PROJETISTA prover essa solução externa.

Com isso, os projetistas precisam ter muita atenção se os produtos instalados atendem a essa norma.

Uma busca rápida na internet mostrou que essa informação não está clara na maioria das especificações técnicas dos DPS FOTOVOLTAICOS disponíveis no Brasil.

Agradecimentos ao André Pinheiro, da Proauto Produtos de Automação que disponibilizou o vídeo.

Referências:

  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMA TÉCNICAS. Coletânea de diversas Normas.
  • PAULINO, José Osvaldo Saldanha et al, Proteção de equipamentos elétricos e eletrônicos contra surtos elétricos em instalações. Minas Gerais:Ed. Clamper, 1a Ed 2016.
  • FINDER. Guia para aplicação de Dispositivos de Proteção contra Surtos – DPS. Disponível em: <http://www.instalacoeseletricas.com/Findernet/download/section/PDFs/guia-dps.pdf>. Acesso em: 30/12/2016
  • FINDER. Sistemas de proteção para minirredes com sistemas fotovoltaicos. DPS. Disponível em: <http://www.iee.usp.br/lsf/sites/default/files/Apresentacao_Finder.pdf>. Acesso em: 30/12/2016
  • ISKRA ZASCITE. SPDs in PV Applications. Disponivel em:  <http://www.ecs.fi/markkinointimateriaali/Ylij%C3%A4nnitesuojaus/Presentations/2011-09-26/1_spds-in-pv-applications_sept2011_ales-stagoj.pdf>. Acesso em 30/12/2016