ESW Brasil 2017 – Reflexões

E o ESW Brasil 2017 terminou. E termina com gosto de saudades. Isso deveria ser uma resenha, mas não vai ser 🙂 . Ou mais ou menos, talvez.

ESW Brasil 2017 – O que foi?

Dois dias de evento, de um monte de loucos falando sobre Segurança em Eletricidade. Um monte de loucos que teimam em tentar plantar em terras aparentemente inférteis.

Foi um evento muito especial para mim. No ESW Brasil 2015, primeiro evento público que participei como palestrante e ao lado de profissionais que me são referências (o trabalho nesse ESW pode ser visto AQUI), não aproveitei tanto, afinal estava tenso e preocupado demais.

Dessa vez, mais tranquilo e calejado, pude ouvir mais, refletir mais e me divertir mais.

Como foi o Evento?

Primeiro Dia

O evento começou bem. O sempre presente e atuante Edson Martinho abriu o evento falando sobre o projeto de norma, que agora será um guia de boas práticas, da norma de Segurança em Eletricidade NBR 16384. Meu amigo Anderson Konescki, (nos conhecemos lá no ESW Brasil 2015), sempre atuante em nossa discussões no Telegram, fala novamente sobre Arco Elétrico, com uma ênfase diferente da que tinha apresentado até o momento.

Edson Martinho fazendo a primeira palestra
Anderson Konescki

 

O que falar do Wilson Rogério, que propõe uma abordagem diferente no ensino? De repente, fogem ao senso comum, e lá vai a gente ter que colocar em xeque de repente, todas as nossas premissas, nos obrigando a analisá-las, validá-las ou abandoná-las.

A Fátima Antunes, da Graphos Assessoria e Treinamento (é …tinha até psicóloga) traz uma análise oriunda de sua experiência com profissionais da área elétrica. De novo, mais alguém mexendo na cabeça dos cartesianos de plantão. E o Estellito ainda nos diz que a norma canadense que trata de segurança em eletricidade e que entrará em vigor em 2018 abordará também aspectos comportamentais.

 

E já que foi o dia de pensarmos diferente, ainda tivemos a apresentação do Schettino que resolveu falar de Liderança & Música e ARREBENTOU. Ponto alto foi o Jovanilson de pratista 🙂 .

 

E sobrou para mim dar a ultima palestra do 1º dia (covardia do Estellito comigo, pessoal cansado e com palestras de alto nível antes, complicou a minha vida).

Só para variar, falei de segurança em eletricidade e instalações fotovoltaicas.

Segundo Dia

Dessa vez, resolveram que o segundo dia seria também incrível!

Breno de Assis, da Viabille Engenharia falando sobre gestão de projetos hospitalares. Bom para lembrar que nossa responsabilidade com segurança NÃO se encerra na entrega do empreendimento. Confiabilidade e segurança andam juntos.

 

O Edson Martinho apresentou a palestra do Eng. Manuel Bolotinha, de Portugal. Além de bastante instrutiva, podemos conhecer um pouco deste momento lá em Portugal.

E como o pessoal estava ousado, o Márcio Bottaro apresentou um trabalho onde discutem a forma como a IEC 61482-1 considera o fator de assimetria na determinação do valor do ATPV em equipamentos de proteção. 🙂

 

João Cunha mostra novamente quem é o dono da bola. Continua com a capacidade de tratar assuntos de discussões no mercado com uma simplicidade supreendente. Dessa vez, o tema foi aterramento temporário.

 

O Sérgio Santos, com seu estilo sério e compenetrado, detona o tal do ESE. Um dos maiores inimigos da segurança talvez seja a desinformação e o Sérgio resolveu levar luz a escuridão.

 

Márcio Severino da Silva, da UFPE, resolveu falar de esquema TT em canteiro de obras. Resolvi que não gosto do Márcio 🙂 , afinal em 2015, meu trabalho no ESW afirma que tem que ser o TN.

Desnecessário dizer que o Márcio arrebentou. Continuo não concordando com o TT, mas se ele disse que viu funcionando, há que se ter em mente que contra fatos não há argumentos.

Mas, a maior ousadia do Márcio foi chegar a conclusão de que, para o estudo em questão, a resistência de aterramento menor que 833 ohms estava boa. Os “órfãos” dos 10 ohms piram nessa hora.

Aliás, a Caroline Raduns, sugeriu e nós atendemos. Lançamos a #fora10ohms.

Mas isso não foi o melhor…

Foi bom rever os amigos de estrada, amigos do LinkedIn, Telegram e Whatsapp.

Conheci pessoalmente a querida Érica Ortiz, revi o Anderson Konescki, Breno Assis, Estellito e o Sérgio, todos que assim como eu acreditam que CONHECIMENTO DIVIDIDO MULTILPLICA.

Com Erica ortiz

Emocionante a homenagem feita a Meire Burdes, sempre por trás das cortinas, mas que sem ela, esse evento e muitos outros não teriam a qualidade e o sucesso que tem.

Bom ouvir do próprio Luiz Tomioshi da história do ESW, das dificuldades e o que motivou os que iniciaram o ESW Brasil.

Com Edson Martinho e Luiz Tomioshi
Meire e Edson

Revigorante a presença da turma da UNIJUI e da sua professora, Caroline Raduns. Eles nos lembram de onde viemos, e de nossa obrigação de entregarmos a profissão (que tanta amamos) em condições melhores daquelas que recebemos dos que nos antecederam.

Que venham os próximos ESW.

Termino o post com o video que encerrou o ESW Brasil 2017, que na verdade, foi apresentado no primeiro ESW Brasil.

P.S. Tinha esquecido de anexar o video. 🙂

 

Meus agradecimentos a todos que lá estiveram, palestrando ou assistindo.

#conhecimentodivididomultiplica