Energia Solar Fotovoltaica Residencial – Cuidados

energia solar fotovoltaica residencial

Em um momento que estamos discutindo a revisão da Resolução 482 da ANEEL (veja meu post sobre isso AQUI), vamos falar sobre o tipo de instalação que domina o mercado: a Energia Solar Fotovoltaica Residencial.

Energia Solar Fotovoltaica Residencial – Cuidados em instalações existentes

O mercado trabalha com a premissa que uma instalação fotovoltaica é simples e pode ser realizada por qualquer um.

Não concordo com isso, uma instalação fotovoltaica é um de gerador de energia elétrica, e deve ser tratado como tal.

A segurança e qualidade de um sistema de energia solar fotovoltaico está intimamente ligado às instalações elétricas onde está inserido.

Em uma série de posts — em que esse é o primeiro — , faremos análises de condições corriqueiramente encontradas em instalações residenciais, além de como ou o que fazer (e o que não fazer) nessas condições.

Residências sem quadro de distribuição

Residências que não possuam um quadro de distribuição, ou que o quadro existente não apresente condições de segurança, não nos permitem que instalemos o sistema fotovoltaico com uma “gambiarra”.

Uma instalação que apresente, por exemplo, apenas o disjuntor geral do agrupamento (esquema abaixo) torna-se um desafio para a instalação do sistema de energia solar fotovoltaica.

energia solar fotovoltaica residencial - Res s/ QD
Desenho do autor – Vinicius Ayrão

O que não fazer?

Vou deixar claro o que você não pode fazer.

energia solar fotovoltaica residencial - gambiarra
Imagem de Dieter Martin por Pixabay

Você não pode simplesmente chegar e aumentar a “gambiarra”, ou seja, ligar o seu sistema fotovoltaico no mesmo local de onde estão saindo os diversos condutores da residência.

energia solar fotovoltaica residencial - como não ligar
Desenho do autor – Vinicius Ayrão

O que fazer?

As instalações fotovoltaicas trazem uma grande oportunidade, a possibilidade de mostrar ao cliente a necessidade de adequação das instalações elétricas.

Na verdade, isso deveria ser mais importante do que a FV, mas deixemos essa divagação para outro momento.

Temos então, 2 hipóteses. A primeira é adequar a instalação elétrica do cliente.

Nesse caso, deverá ser instalado um quadro de distribuição, com barramento de fase, neutro e terra.

Mesmo que a residência não tenha condutores de proteção individualizados — ou seja, com o esquema de aterramento TN-C — , basta converter o esquema para TN-C-S nesse ponto.

O quadro e os disjuntores deverão, necessariamente, ser dimensionados por profissional que tenha competência legal, e, mais importante, que saiba fazê-lo.

Dessa forma, passaríamos a ter:

energia solar fotovoltaica residencial - novo quadro
Desenho do autor – Vinicius Ayrão

Ao procedermos dessa forma, além de proporcionar a redução dos custos com energia, ainda aumentamos as condições de segurança elétrica para o cliente e sua família.

“Mas é mais caro…”

Será mesmo?

Talvez pareça até você mostrar a seu cliente os números do Anuário Estatístico da Abracopel de 2018 — referentes aos acidentes ocorridos em 2017.

Mortes por choque elétrico – 627

Mortes por choque elétrico em residências – 218

Além de ajudar as pessoas, é um bom meio de demonstrar valor da sua empresa para o seu cliente (ou você acha que o “pedricista” e o pica-fio lê esse blog?).

Ok, ok, vamos à 2ª hipótese…

Não fui capaz de convencê-lo a adequar o cliente.

Sem problemas, então vamos nos limitar ao mínimo.

Você precisa garantir a segurança daquilo que você instala, afinal, todos concordamos que pelo menos a instalação precisa ocorrer corretamente.

Uma solução possível seria a instalar um novo quadro junto ao padrão de entrada de energia, fazendo sua derivação desse ponto.

energia solar fotovoltaica - QFV
Desenho do autor – Vinicius Ayrão

Observação: Viu que coloquei DR no FV? Que tal ler um artigo de DR em FV, clicando nesse link AQUI?

Por que isso é importante?

Simples, o mercado está dando o preço sem avaliar as condições das instalações.

Sabe o que acontece quando você erra no orçamento?

Você tenta encaixar o projeto na verba, e com isso faz besteira.

Em eletricidade, nossos erros matam.

4 comments

  • Excelente Vinícius. Mais uma boa contribuição em nome da Engenharia e da Segurança. Grato por compartilhar conhecimento com a gente.
    Sigo seus postos desde o “String Box CA + CC – Pode isso Arnaldo?”

  • Excelente análise.
    Parabéns pela exposição e compartilhamento.
    Gostaria que fizesse uma análise análoga a essa que fez para aterramentos,SPDAS,para ambientes residenciais.

  • Realmente eu duvido meu nobre Vinícius que o “Pedricista” ou o “Zé Faísca” vão ler esse blog meu amigo rs’

    Infelizmente hoje no mercado se tem uma disputa feroz de “Quantidade de Sistemas Fotovoltaicos Instalados” por parte de algumas empresas e autônomos, sendo que o coerente seria uma disputa por “Qualidade dos Sistemas Fotovoltaicos Instalados”

    Parabéns pela abordagem desse post !!!

    • Qualidade, ah qualidade, parece que tiramos ela do dicionário nos dias atuais no Brasil. Mas, continuamos na luta por uma engenharia de qualidade.

Comentários encerrados.