Solergo Análise para GD

Qual o software para dimensionamento de energia solar devo usar? Preciso de um? O investimento vale a pena? Com essas questões em mente, farei posts com minhas impressões/opiniões sobre o Solergo e seus usos para projetos de micro-geração e mini-geração distribuída.

Por que o Solergo?

Como boa parte das pequenas empresas ou de engenheiros autônomos que atuam na área de GD, começamos, ou buscamos começar com software gratuitos ou o uso da velha e boa planilha excel.

Fiz o curso de PVsyst, mas só precisei usar 3 meses depois, o que significa que a licença de um mês já tinha expirado e mais importante do que isso, eu não lembrava mais de nada.

Como o Solergo é o primeiro em português e adaptado às nossas normativas, resolvi estudar.

Como farei a análise

Meu objetivo é responder ou emitir juízo de valor sobre os seguintes pontos do Solergo

  1. o software é intuitivo? A curva de aprendizado é traumática ou simples?
  2. A inclusão de equipamentos que não constam da base de dados é possível? É simples?
  3. Faz o estudo de sombreamento? É simples? Excessivamente complexo?
  4. Os valores estão compatíveis com os que encontramos em nossos cálculos?
  5. A importação do autocad como é? Funciona? Agrega valor para quem utiliza?
  6. Diferenciais (opções únicas) que outros softwares não possuem, existem? Os diferenciais acrescentam?
  7. O esquema unifilar gerado, é aceitável? pode ser exportado para o CAD, caso seja parte de um projeto maior?
  8. Tempo de execução comparado um com o outro.
  9. Dimensionamento elétrico em CC. O cabeamento é dimensionado de acordo com o nosso projeto de norma? E a proteção/seccionamento?
  10. Análise econômica: Comparação com os valores de TIR/VPL e fluxo de caixa descontado com planilha excel, formulada e desenvolvida por mim;
  11. Análise do relatório técnico final gerado.
  12. Instalação do Software

Primeiras impressões

Instalei nos três computadores disponíveis para testes : 2 notebooks (um Sony Vaio e um Dell) e um desktop. Todos com Windows 8 ou 10, com I3 ou superior.

Não houve travamento observado em nenhum deles.

O software é intuitivo?

Uma dica: o Excel não faz de você um matemático, o Word não transforma você num Carlos Drummond de Andrade, assim como, o Autocad não faz de você um desenhista.

NENHUM software para sistemas fotovoltaicos vai transformar você em um projetista. Então, presumo que, no mínimo, os conhecimentos básicos em dimensionamento FV você possua.

Partindo deste principio, vamos lá!

Iniciando o software

O software está em português, já facilita e muito. A primeira tela, de dados gerais do sistema, é bem intuitiva, com um ícone do google maps.

Tela inicial do Solergo

Clicamos em “mapa”, abre o “googlemaps”, digita o endereço, acha no google e pronto. O software carrega o endereço da instalação.

Clicando em “avançar” você irá para a próxima tela, de localização. Minha primeira dúvida surgiu neste ponto, sobre o que era aquela localidade. Chamei o menu de ajuda, e dúvida sanada: escolha o local mais próximo daquele que o sistema possui dados climáticos.

O guia do Solergo mostra como importar novos dados, mas no momento não é este o foco.

Ele apresenta duas fontes de dados, uma denominada ATLAS BRASILEIRO e outra Electrographics.

  • ATLAS BRASILEIRO: com base de dados SONDA emitido pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais); são disponíveis os dados de irradiação das mais importantes localidades do território brasileiro, separados dos relativos dados de radiação solar direta e difusa.
  • Electro Graphics: banco de dados de radiação de locais internacionais derivadas de medições por satélites.

E por ultimo, você pode escolher o tipo de terreno para determinar a reflexão média.

Localização / Albedo

As próximas telas são para “inputar” dados do Cliente, de consumo e do projetista . Essas informações servirão para o memorial descritivo. No momento, minha análise é se o dimensionamento é intuitivo. Voltaremos a essa parte futuramente.

Inputando informações para dimensionamento

A próxima tela é para determinar a orientação dos módulos.

Se determina o Azimute e a inclinação. O Solergo também te dá a opção de calcular a inclinação apropriada.

Azimute e inclinação

Na tela seguinte, devemos fornecer as informações da concessionária, se a conexão é em BT ou MT, monofásico, bifásico ou trifásica e tensão.

Aqui também, tudo bem intuitivo.

Escolhendo os componentes

Bom, se você é um integrador, provavelmente compra os kits montados de empresas como a Ecori (microinversores Apsystem), da Aldo, Sices ou da L8 Energy (nova empresa no mercado). Então, a questão é: os componentes desses kits estão nas opções do Solergo?

Escolha do painel

Feito isso, vamos escolher os inversores. Nesse momento, para definir a potencia do(s) inversor(es) podemos entrar com o numero de módulos, área ou a potência que queremos do sistema, pois o software calcula as outras duas variáveis.

Nesta etapa, você pode escolher o inversor do seu kit ou usar o dimensionamento assistido. Como normalmente estamos “presos” ao Kit, não vamos usar muito o dimensionamento assistido (pelo menos eu acho). 🙂

Inversor escolhido

Como podemos ver na figura acima, o Solergo verifica se tensão, corrente e potência (a faixa de trabalho de potencia é configurada) estão ok.

Vamos alterando a quantidade até que todos os itens estejam nas faixas esperadas.

Configuração ok

Considerações iniciais

Como descrevemos, em poucos passos, temos o valor de energia produzida. É obvio que ainda falta muito para ser um projeto sério: vamos a isso nos próximos posts.

Respondendo a minha primeira pergunta:

O software é intuitivo? A curva de aprendizado é traumática ou simples?

Sim, é bastante intuitivo, e o aprendizado, até o momento, sem traumas.

No próximo post, veremos a inclusão de equipamentos que não estão na base de dados e o estudo de sombreamento.

 

5 comments

  • Olá,Vinicius

    acompanho os teus artigos com bastante atenção, realmente ajudam bastante.

    tenho pesquisado sobre os efeitos dos ângulos de inclinação e azimute nos sistemas, a maioria dos trabalhos que encontro sugerem o uso do softwares como o Radiasol ou o Solergo.

    em fontes estrangeiras é possível encontrar tabelas que cruzam inclinação X desvio azimute e fornecem um fator para aplicação no dimensionamento.

    poderia sugerir alguma fonte com alguma coisa parecida com a tabela citada acima que se aplique ao Brasil? ou equações, gráficos, etc…

    obrigado.

    • Tiago,

      Bom dia. De cabeça não lembro de nenhuma tabela, mas vou dar uma pesquisada e te informo.

      Obrigado por me acompanhar, abraços

  • Boa tarde,
    Tenho o SOLergo mas tenho dúvidas de como é feito o cálculo de amortização do sistema quando entra o financiamento. O software pega o valor total do sistema com juros e divide em parcelas iguais ? Desta maneira ele diminuiria o payback isso é correto??

    Muito bom seu blog???

  • Boa tarde! Estou pensando em usar este software, você comprou o sistema ou baixou alguma versão DEMO? Sabe informar o valor? Obrigado!

    • Alyson, comprei. Pegue o valor atualizado na Electrographics, que é o distribuidor no Brasil, diga que se interessou por ter visto aqui no Blog que te dão um desconto.

Comentários encerrados.