Solergo (parte 2) – Estudo de sombreamento

Minha  proposta de analisar o software Solergo (post anterior aqui) a fim de contribuir para quem se interessar em adquirir o software. No post de hoje, vou tratar do estudo de sombreamento e inserção de novos equipamentos..

Itens da análise

1. o software é intuitivo? A curva de aprendizado é traumática ou simples? Visto no post 1
2. A inclusão de equipamentos que não constam da base de dados é possível? É simples?
3. Faz estudo de sombreamento? É simples? Excessivamente complexo?
4. Os valores estão compatíveis com os que encontramos em nossos cálculos?
5. A importação do autocad como é? Funciona? Traz valor para quem usa?
6. Diferenciais (opções únicas) que outros softwares não possuem. Existem? Elas tem valor para quem usa?
7. O esquema unifilar que é gerado, é aceitável? pode ser exportado para o CAD, caso seja parte de um projeto maior?
8. O tempo de execução comparado um com o outro
9. Dimensionamento elétrico em CC. O cabeamento é dimensionado de acordo com o nosso projeto de norma? E a proteção/seccionamento?
10. Análise econômica: Comparação com os valores de TIR/VPL e fluxo de caixa descontado com planilha excel, formulada e desenvolvida por mim;
11. Análise do relatório técnico final gerado.
12. Instalação do Software Visto no post 1

Como compramos sistema FV

Em virtude dos benefícios tributários, para o integrador sai mais barato comprar o conjunto painel fotovoltaico x inversor do que comprar separadamente.

Por isso, nossa flexibilidade de escolha de painéis e inversores fica limitada aos distribuidores que usamos. Eventualmente, o inversor e/ou o painel disponível em nossos fornecedores não consta do banco de dados do Solergo.

Como resolvemos esse problema?

Inserindo um novo painel fotovoltaico

Após cadastrarmos as informações iniciais do cliente (local, posição dos módulos, inclinação, etc), vamos inserir o módulo.

Como você pretende usar um sistema da Globo Brasil.

Veja,a seguir, a sugestão de passo-a-passo no Solergo para a escolha do módulo :

1 Clicar em componentes no menu esquerdo

 

2 Clicar em selecionar, ao lado de Módulo Fotovoltaico

3 Nesta fase, aparecerá um menu com todos os painéis que constam em seu banco de dados. No menu esquerdo temos a opção de filtrar por fabricante. Indo para a letra G, vemos que não tem Globo Brasil no meu banco de dados (eu apaguei antes, para o post 🙂 ).

 

4 Isso pode acontecer para um novo fabricante; precisamos então cadastrá-lo. No canto superior direito da tela de Módulos fotovoltaicos (ou Ctrl+N);depois ao lado de fabricante nos ….;na nova tela em novo novamente;

 

5 Informe o nome do fabricante e o código (de sua escolha).

6 Após isso, voltando a tela “inserir um novo módulo” aparecerá o fabricante Globo Brasil.

7 Precisamos agora do Datasheet do módulo que iremos usar e inputar os dados. Vamos usar o do painel GBR 315P

8 Preenchendo os dados, a tela ficará assim:

9 Clicando em Características, podemos inserir o restante dos dados do Datasheet

Pronto, módulo lançado e escolhido.

A inserção de um novo modelo de inversor é análoga ao de um novo painel.

Bem simples e sem traumas.

Estudo de sombreamento

Um dos principais motivos para o uso de um software para dimensionamento de sistemas FV é o estudo de sombreamento. O Solergo, também faz esse estudo.

Lembrando que neste post não temos a visão do projeto como um todo, do inicio ao fim. O foco é apenas o sombreamento; logo, já inputei no software os dados do gerador adotado.

Para estudar o sombreamento, precisamos, primeiro, inserir a planta baixa, ou melhor, a planimetria (o termo que o Solergo usa). Você pode inserir uma imagem do Google Maps ou um desenho em dwg.

Ao clicarmos em inserir imagem do Google maps, vai aparecer o endereço que lançamos nos dados iniciais do projeto. Ampliamos ao máximo e damos OK, planimetria inserida.

 

 

Agora, precisamos inserir os módulos. Como, anteriormente, já dimensionamos qual e quantos módulos vamos usar, a inserção é simples.

Pronto. Nesse momento, vamos ver qual a geração estimada nessas condições se não houver nada fazendo sombra.

Essa edificação é uma laje plana; no entanto, há uma edificação um pouco mais alta, que é a saida da escada, e uma mureta de 1,20 metros na periferia.

O Solergo não faz um desenho em 3D, precisamos inserir os obstáculos, para que a simulação ocorrer.

Em verde estão as muretas e em marrom a estrutura que comporta a escada.

 

Após a inserção dos obstáculos, iniciamos a simulação. Na imagem a seguir, um print mostrando o sombreamento em um determinado momento.

Após isso, o sistema retorna a nova geração de energia, considerando as perdas.

 

Respondendo as perguntas

A inclusão de equipamentos que não constam da base de dados é possível? É simples?

Podemos usar qualquer distribuidor de kit (gerador fotovoltaico), pois a inserção de equipamentos novos ou que não constam da base de dados é relativamente simples.

Faz estudo de sombreamento? É simples? Excessivamente complexo?

O estudo de sombreamento, uma ferramenta importante, tem como ponto alto podermos usar uma base em dwg ou imagem do Google maps.

No próximo post vamos tratar da interface com o autocad e a geração de esquemas unifilares.

 

 

 

Salvar

12 comments

  • Muito boa a análise, Vinícius!
    Uma dúvida:
    O Solergo apresenta graficamente toda a área sombreada ao longo do ano? Isso facilitaria muito a identificação das áreas ótimas para se instalar os módulos.

    Obrigado!

    • Rafael, mostra sim. Qd fazemos a simulação ele faz um vídeo praticamente passando a sombra. Esse projeto específicamente é real, minha escolha anterior Qd fiz a primeira vez dava muito sombreamento, eu já mudei a distribuição para reduzir isso. Ele só não mostra em 3D, o que particularmente não vejo problemas.

  • Amigo quando nao sei a altura do objeto que faz a sombra? Exemplo aqui de casa tem um predio ao lado, nao sei a altura dele

    • Vc precisa estimar uma altura, para poder desenhar o obstáculo, com isso o software vai simular e estimar as perdas.

      • ai nao da certo, infelizmente aqui o sol passa na pontinha do predio que fica em frente, + – de 13 as 14 da tarde, tentar estimar a altura vai ficar complicado…. queria analisar quanto estou perdendo por causa dessa hora perdida, nesse caso coloquei eles apontados pro norte mas, tenho um telhado apontado pro oeste que nessa epoca do ano o sol ta pegando la direto mas, antes nao estava.

  • Boa tarde Vinicius

    Quando temos um telhado Leste Oeste, com um SFV , ex. 10kWp, o Solergo coloca os string, 50% leste e 50% Oeste?

    • Manoel, boa tarde.

      Na verdade, você coloca no Solergo quais são as direções de cada string, e ele vai simular em função disso. O que o Solergo te ajuda é permitir que você faça várias simulações, e escolha a direção ótima para seu cliente.

  • Parabéns pela contribuição e pela análise imparcial Vinicius! Sou usuário do Solergo desde 2016 e todas nossas propostas são elaboradas por ele, como tudo na vida tem seus prós e contras…em projetos maiores complementamos a análise com o PVSyst para não correr risco. abs

    • Feliz de que tenha gostado. Em breve as outras análises. Por curiosidade, já usou o iSolergo? Excelente para inspeção em campo. Abraços.

      • Baixei quando adquirimos o SW, na ocasião a experiencia não foi das melhores, como tem tempo, pode ser que esteja melhor a interface! Vou reavaliar…de qualquer forma a ideia é fenomenal, ter uma equipe de campo realizando dezenas de vistorias com o iSolergo e enviando para uma “central” que processaria os dados de forma mais detalhada gerando as propostas e projetos. Abs

  • Olá colegas, espero que seja de ajuda este tutorial completo ao utilizo do aplicativo gratuito iSOLergo.

    https://www.youtube.com/watch?v=hFPl8riX-Ds

    Abraço.

  • Bom dia…..Ótima esta sua postagem Vinicius, ferramenta facilitadora que dá um diferencial para os clientes. Como eu estou iniciando nesta área, gostaria de ver uma postagem com “analise econômica” do projeto e estudo de viabilidade preliminar, depois passando para o software no PC.

    Abç

Comentários encerrados.